Para aumentar a gravidade de acusações de crimes de estelionato praticado pelo organizador do sorteio denominado “Show de Prêmios da solidariedade", o ganhador do carro sorteio também denunciou e ainda descobriu que o veículo era locado. (Veja matéria: https://www.omamore.com.br/2019/12/show-de-premios-vencedores-de-bingo-nao.html)
A vítima de 35 anos buscou a Delegacia de Polícia na terça-feira, 03, após cansar de tentativas de contato via telefone com Ricardo Nelson Ribeiro, de 36 anos, apontado como coordenador do sorteio. O homem disse que também a ele lhe foi alegado que a premiação deveria ocorrer às 10h de segunda-feira, 02, em uma concessionária da cidade, alegando que deveria cuidar dos trâmites de transferência do seguro do veículo que estava vencido há dois dias. Na manhã de segunda-feira, a vítima buscou via telefone e WhatsApp a pessoa de Ricardo, que justificou ter ido as pressas para Porto Velho/RO, pois sua esposa entrou em trabalho de parto. Depois, de várias tentativas, Ricardo informou a vítima que o bingo não deu certo e que não iria pagar as motocicletas e o carro 0 km, ou seja nenhuma premiação seria entregue. Diante do crime cometido, o ganhador do carro buscou a Delegacia e também denunciou Ricardo, assim como fizeram os três ganhadores de uma motocicleta Biz e o ganhador sozinho da motocicleta Fan.
A divulgação dizia que o sorteio era de 3 brindes, 2 motocicletas e um carro
A vítima descobriu que o carro usado na divulgação do sorteio, trata-se de um carro locado de uma concessionária com sede em Porto Velho/RO, porém Ricardo retirou a placa do veículo, afim de beneficiar as vendas das cartelas e enganando a população guajaramirense.
O Núcleo de Inteligência Integrada de Fronteira (N.I.I.F.), da Unidade Especializada de Fronteira (Unesfron) está apurando todos os relatos e a procura do acusado de enganar os vencedores e participantes do evento que adquiriram suas cartelas para o suposto sorteio. Várias pessoas já foram interrogadas e os depoimentos anexados junto ao Inquérito Policial instaurando, para posterior denúncia junto ao Ministério Público.
O Mamoré trouxe a denúncia realizada pelo representante de uma instituição sem fins lucrativos, onde há cerca de três meses atrás alertou as autoridades sobre a atitude do homem que usou em publicidade a instituição como parceira do sorteio sem ter feito acordo firmado com a instituição, posteriormente o organizador do sorteio usou outra instituição, que também foi lesada.
Fonte: O MAMORÉ

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem