18 de outubro de 2019

Profissão Repórter mostra o trabalho de médica guajaramirense na Amazônia

Médica guajaramirense é um dos destaques do program Profissão Repórter.
Profissão Repórter mostra o trabalho de médica guajaramirense na Amazônia

No programa em que atinge a marca de 400 edições, o Profissão Repórter mostra a expedição mais longa feita por repórteres da equipe. Danielle Zampollo e Maycom Mota passaram 25 dias na Amazônia e fizeram contato com povos indígenas isolados. Uma médica guajaramirense que atualmente está exercendo a profissão naquela região foi um dos destaques da matéria que foi ao ar nesta última quarta-feira, 16, onde focou os riscos e os cuidados que a profissional e colegas passam para desenvolver seus trabalhos.
A viagem começou com um voo junto de uma equipe da Funai pela área de florestas da segunda maior terra indígena do Brasil, no Vale do Javari.
Após sobrevoar a região, a equipe do Profissão Repórter continuou a expedição pela Amazônia de barco, já que não há estradas na região.
A base de Ituí da Funai, que serve de apoio para povos indígenas de cinco etnias e controla o acesso à região foi atacada a tiros um dia após a equipe de reportagem deixar o local. Os invasores entraram na terra e deram cerca de oito tiros. Foi o quarto ataque em menos de um ano. Todo o cuidado é justificado pelas invasões de pescadores, garimpeiros e de caçadores.
O colaborador da Funai Fábio Matute conta que o Exército foi até o local uma semana após o ataque e fez uma apreensão de 600 quilos de pirarucu pescados ilegalmente e 300 tartarugas.
Os conflitos com invasores também são a provável causa do assassinato de Maxiel, um colaborador da Funai que chegou a ajudar o Profissão Repórter durante a viagem. A investigação do crime é de responsabilidade da Polícia Federal, que não quis se manifestar.
Durante a estadia em Ituí, uma família para na base para buscar atendimento de saúde para uma criança que está com febre. Após conseguirem a medicação, eles passam a noite no local para depois seguir viagem até a cidade para uma avaliação médica.

Quarentena
Após deixar a aldeia, a reportagem começou a etapa mais desafiadora da expedição, fazer contato com um grupo de isolados, os Korubos. O primeiro contato da Funai com o povo indígena foi em março deste ano. A equipe do Profissão Repórter foi a única que conseguiu uma autorização para acompanhar o segundo encontro.
Mas antes do primeiro contato foi necessário passar por uma quarentena de 7 dias. Os indígenas não tem um sistema imunológico preparado para uma gripe, e ela pode ser fatal. A enfermeira Luziane López precisou ficar de olho nas vacinas que aplicaria no povo indígena. Ela manteve a temperatura baixa com pedras de gelo e monitorando tudo com um termômetro que fica em uma caixa térmica.

Contato
Após os 7 dias de quarentena, a reportagem seguiu para o encontro com os Korubo, mas antes ouviu algumas instruções de Takvan, que é da mesma etnia que os isolados. Ele pediu que a reportagem evitasse levar câmeras grandes no primeiro encontro. Existia a possibilidade do equipamento ser confundido com alguma arma. A recepção a equipe do Profissão Repórter foi com olhares de surpresa e curiosidade com as câmeras e os celulares da reportagem.
O grupo de Korubos foi contatado pela primeira vez em março desse ano, o segundo encontro teve como principal missão vacinar as 34 pessoas da etnia. Com a aproximação de invasores e também de outros povos, vem também a chegada de doenças e os isolados não têm anticorpos.
A médica Daiany foi uma das entrevistas da reportagem do Profissão Repórter quando desenvolvia seu trabalho com indígenas isolados 
"É uma experiência nova tratar indígenas isolados. A gente está acostumado com outro nível de paciente nas UBS, nos hospitais. Então aqui a gente precisa ter aquela cautela de menos é mais. Quanto menos medicação, é melhor", diz a médica guajaramirense Daiany Queiroz.
Equipe do Profissão Repórter com o cacique da aldeia, Makwëx, suas duas esposas e o filho
O Vale do Javari reúne outras 10 etnias de indígenas isolados e há registros de mais seis, ainda em estudo. É a maior concentração de povos que vivem distantes da civilização no mundo.
Fonte: O MAMORÉ com informações G1

Veja também:

Últimas Notícias

© Copyright 2019 Jornal O Mamoré | All Right Reserved