Acadêmicos do 3º período do curso de Licenciatura em Ciências com Habilitação em Química ou Biologia e do 5º período do curso de Licenciatura em Ciências com Habilitação Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Guajará-Mirim, participaram no mês de junho de uma visita técnica à Reserva Extrativista (RESEX) Rio Ouro Preto, na localidade Base do Pompeu.

Entre os objetivos da visitam estavam: conhecer o modo de vida da população tradicional; verificar as atividades associadas ao desenvolvimento sustentável das comunidades locais e verificar a importância de algumas plantas como babaçu, açaí, seringueira e a castanheira para os extrativistas

Acadêmicos do 3º período do curso de Licenciatura em Ciências com Habilitação em Química ou Biologia e do 5º período do curso de Licenciatura em Ciências com Habilitação Biologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Guajará-Mirim, participaram em junho (dia 9) de uma visita técnica à Reserva Extrativista (RESEX) Rio Ouro Preto, na localidade Base do Pompeu.
Segundo a organização da atividade, dentre os objetivos da visitam estavam: conhecer o modo de vida da população tradicional; verificar as atividades associadas ao desenvolvimento sustentável das comunidades locais e verificar a importância de algumas plantas como babaçu, açaí, seringueira e a castanheira para os extrativistas.
Os moradores da Reserva estiveram organizados durante a Semana do Meio Ambiente (03 a 09 de junho) para receber visitantes, dentro da proposta de Turismo de Base Comunitária. Diversas atividades foram realizadas para demonstrar a vida cotidiana dos extrativistas, como a pesca, a fabricação de farinha, a extração do látex, a coleta de castanha e a exposição de fotos e artesanatos.
Além dessas atividades, houve palestra sobre a história dos extrativistas e a sua importância para a conservação da floresta. A proposta de turismo de base comunitária, iniciada na Semana do Meio Ambiente, vem com o intuito de aumentar a renda da população local, e consequentemente assegurar a permanência na Reserva.
Para a Professora Vanessa Golin, Coordenadora do curso de Ciências Biológicas do Campus Guajará-Mirim, “[...] é muito importante essa ambientação com a natureza, conhecendo e se familiarizando com a riqueza local. A visita apresentou como finalidade o conhecimento da cultura da localidade, assim como conhecimentos que vão além do que se ensina na teoria”.

Fonte: Assessoria.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem