Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 14 de março de 2019

Polícia Federal em Guajará-Mirim desarticula esquema de lavagem de dinheiro do tráfico internacional

A Operação Dracma cumpriu 72 mandados de busca e apreensão em Porto Velho; Ariquemes; Ji-Paraná; Cacoal; São Miguel do Guaporé; Ouro Preto do Oeste; Guajará-Mirim; Nova Mamoré em Rondônia e em Cuiabá (MT) e Itaituba (PA).
CONTINUA LOGO DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após dois anos e meio de investigações a Delegacia de Polícia Federal em Guajará-Mirim juntamente com a parceria da Inspetoria da Receita Federal, no município, conseguiu desarticular o esquema de lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas. A Operação Dracma ocorreu na manhã desta quinta-feira, 14, com a participação de 220 policiais federais, 22 servidores da Receita Federal, onde foram cumpridos 72 mandados de busca e apreensão em Porto Velho; Ariquemes; Ji-Paraná; Cacoal; São Miguel do Guaporé; Ouro Preto do Oeste; Guajará-Mirim; Nova Mamoré em Rondônia e em Cuiabá (MT) e Itaituba (PA).
Antes das 06hs os policiais federais e servidores da Receita Federal estavam espalhados em Guajará-Mirim e Nova Mamoré prontos para cumprirem os mandados
Com um quantitativo não divulgado oficialmente, o site e jornal O Mamoré acompanhou que no total de 30 pessoas, entre empresários, comerciantes, funcionários e até mesmo vendedores foram convidados a prestarem esclarecimentos na Delegacia da PF. Durante a operação houveram mandados de busca e apreensão, não tendo nenhuma prisão até o fechamento desta matéria. De acordo com a PF, as investigação continuariam e mediante a declaração de cada pessoa interrogada havia possibilidade do pedido de prisão. Foram apreendidos cerca de 100 mil reais em um local, além de mais valores em espécie em real e moeda boliviana, veículos e lanchas. A Justiça determinou 6 medidas cautelares de afastamento da função de investigados que atuavam, principalmente na administração/gerência de empresas, num total de 147 contas bancárias bloqueadas, mais de R$ 70.000, 00 foram bloqueados. 
Delegado Titular da PF, em Guajará-Mirim, Heliel Martins, durante entrevista a imprensa
O delegado titular da Polícia Federal, Heliel Jefferson Martins Costa, disse que com o objeto de combater a organização criminosa que atuava na lavagem de capitais e evasão de divisas oriundos do tráfico internacional de drogas, além de sonegação fiscal no município de Guajará-Mirim, foi desencadeada as investigações que resultaram na Operação Dracma. Ressaltando que operação foi conjunto com a Receita Federal e teve o apoio logístico do Exército Brasileiro.
O prédio do Boinas Rajadas foi utilizado para a lojística da Operação, onde os veículos, lanchas e pessoas conduzidas aguardavam serem interrogadas e o desenrolar das investigações 
Ainda de acordo com Martins, foram instaurados 26 inquéritos policiais, 36 relatórios fiscais e 86 laudos de perícia financeira que auxiliaram na investigação e apontam que há anos grandes empresas comerciais-exportadores do estado de Rondônia mantém atividades secundárias de captação e administração de capitais, remessa e conversão de câmbio, direta ou indiretamente, de pessoas físicas que se dedicam à prática do tráfico de drogas e outros crimes. 
Os policiais federais e servidores da Receita Federal prontos para cumprir a busca e apreensão

Investigação
Segundo a PF, o esquema criminoso era usado para fortalecer o tráfico de drogas, muito intenso da região por causa da fronteira próxima com a Bolívia. Guajará-Mirim, no Brasil, e Guayaramerin, na Bolívia, são separadas apenas pelo Rio Mamoré.
 Esquema de como funcionava a lavagem de dinheiro para manter o tráfico de drogas em Guayaramerin/Bolíva
Para funcionar, as empresas vendiam, sem nota fiscal, produtos para as cidades bolivianas. Em muitos dos casos, elas eram trocadas por drogas. Parte dos lucros dessas grandes empresas distribuidoras/exportadoras deveriam receber pela venda de produtos para Bolívia, ao invés de serem repatriados, eram encaminhados diretamente a cambistas bolivianos para fim de custódia dos valores.
Traficantes de estados do Nordeste e no Pará remeteram, de forma sistemática nos últimos 10 anos, centenas de milhões de reais para contas correntes em nome de pequenas empresas e pessoas físicas em Rondônia, que realizavam depósitos sucessivos nas grandes empresas distribuidoras/exportadoras do estado.
Veículos e lanchas apreendidos
Projeções realizadas pela Receita Federal estimam que, entre os anos de 2009 a 2016, aproximadamente R$ 2 bilhões em mercadorias foram retirados irregularmente pelas empresas investigadas da área de livre comércio irregularmente, com prejuízo aos cofres públicos, pelo não recolhimento de tributos federais, de aproximadamente R$ 300 milhões, não contabilizados eventuais juros e multas.
Fonte: O MAMORÉ

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: