Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 29 de junho de 2018

Por baixa distribuição processual, CNJ e TRF querem fechar varas federais, de Guajará-Mirim é uma delas

Na prática, essas unidades deixarão de existir nessas cidades para que sejam instaladas varas em outras regiões.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas unidades em risco de fechamento distribuição processual está abaixo de 50% da média esperada para região
Está em trâmite na Corregedoria Nacional de Justiça uma proposta para transferir as Varas Federais de Diamantino, Juína, Oiapoque-AP, Laranjal do Jari-AP, Guajará Mirim-RO e Tefé-AM. Na prática, essas unidades deixarão de existir nessas cidades para que sejam instaladas uma vara cível na Seção Judiciária do Amazonas; duas varas de JEF na Seção Judiciária do Maranhão; duas varas cíveis e uma vara de execução fiscal na Seção Judiciária do Distrito Federal.
Na terça (26), a desembargadora federal Maria do Carmo Cardoso, Corregedora Regional da Justiça Federal da 1ª Região, assinou uma manifestação sugerindo que o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) se antecipe ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e desloque as varas.
Nessa quinta (28), o desembargador federal Carlos Moreira Alves, presidente do TRF1, encaminhou um ofício ao Corregedor Nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha comunicando a pretensão de submeter a proposta à apreciação do Conselho da Justiça Federal. No despacho, o presidente manda que o processo seja incluído em pauta na próxima sessão da Corte Especial Administrativa do TRF1.
Em seguida, o processo ainda precisará ser encaminhado à Diretoria-Geral (Diges), que deverá apresentar proposta de remoção dos servidores dessas varas. Na sequência, a Secretaria de Gestão Estratégica e Inovação (Secge) deverá realizar estudo visando à instalação de Unidade Avançada de Atendimento (UAA), com estrutura que permita o funcionamento de serviço de protocolo de petições e realização de audiências por videoconferência, com o processamento dos processos em vara localizada na Capital.
Para tanto, o desembargador federal pede que as diretorias dessas varas verifiquem a possibilidade de celebração de termo de cooperação com a Justiça Estadual ou a Justiça do Trabalho para integração e compartilhamento de estruturas, recursos humanos e materiais, que permitam a instalação da UAA.

Entenda
Esse processo teve início a partir de um Pedido de Providências, em trâmite no CNJ, cujo objeto é a aplicação da Resolução do CNJ 184/2013, que permite o deslocamento de unidades jurisdicionais conforme a demanda processual. Nessas unidades em questão a distribuição processual estava abaixo de 50% da média da região no último triênio, 2015-2017.
Nas unidades de Diamantino, Juína, e Guajará-Mirim, os processos não passam de 5 mil. Grande parte deles corresponde a feitos previdenciários, a execuções fiscais e a ações criminais. Além disso, o custo anual de manutenção dessas seis varas equivale a R$ 7,5 milhões. Deste modo, entendeu-se que o atendimento poderia ser mantido por meio da criação de uma Unidade Avançada de Atendimento (UAA).
O objetivo da mudança é ampliar e aprimorar o acesso à Justiça mediante a utilização racional da mão de obra, além de economizar nas altas despesas decorrentes da manutenção das sedes das varas, que normalmente são casas alugadas e adaptadas.
Em dezembro, o ministro João Otávio de Noronha, Corregedor Nacional de Justiça, determinou ao presidente do TRF1 que à medida que essas varas ficassem vagas, não fosse mais promovida a lotação de novos juízes.
Fonte: RDNews

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: