Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 1 de novembro de 2017

Inscrições abertas para cursos do IFRO, em Guajará-Mirim há mais um nova opção

As inscrições serão realizadas exclusivamente on-line, no período de 09/10 a 27/11, no site do IFRO.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Processo Seletivo Unificado 2018/1 (PSU) abriu vagas para seis novos cursos, dos 30 que estão sendo ofertados pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO). No nível superior, o Campus Ariquemes passa a oferecer o curso de Engenharia Agronômica (40 vagas); no Campus Porto Velho Calama será ofertado o curso de Engenharia Civil (40 vagas) e no Campus Ji-Paraná a novidade é o curso de Engenharia Florestal (50 vagas). Para a licenciatura, o Campus Cacoal abrirá 40 vagas para a área de Geografia.  Já as novidades para o nível médio são as ofertas do Técnico em Alimentos Integrado ao Ensino Médio no Campus Jaru (40 vagas) e do Técnico em Informática Integrado ao EJA no Campus Guajará-Mirim (40 vagas).
As inscrições iniciaram no dia 9 de outubro para 2.438 vagas do Processo Seletivo Unificado 2018/1 (PSU). As vagas são para os três níveis de ensino (Integrado ao Ensino Médio, Subsequente e Graduação), distribuídas em 30 cursos para os nove campi da instituição, nos municípios de Ariquemes, Cacoal, Colorado do Oeste, Jaru, Ji-Paraná, Guajará-Mirim, Porto Velho e Vilhena. As inscrições serão realizadas exclusivamente on-line, no período de 09/10 a 27/11, no site do IFRO. O resultado final será divulgado no dia 20 de dezembro, e as matrículas dos aprovados iniciam no dia 8 de janeiro de 2018.  Previsão de início das aulas: 05/02/2018.

Novos cursos
A Coordenadora da Comissão Permanente de Exames, Carla Coêlho, destaca o novo curso a ser ofertado no Campus Guajará-Mirim , o Técnico em Informática Integrado ao EJA (Educação de Jovens e Adultos), que tem como público pessoas com mais de 18 anos sem o ensino médio. “É um curso antigo o de EJA, mas numa modalidade nova. Uma oportunidade para concluir o ensino médio e sair qualificado para o mercado de trabalho. Ainda mais num turno pensado para quem trabalha e tem família, que é o turno noturno”.
O Pró-Reitor de Ensino, Moisés José Rosa Souza, afirma que o IFRO, enquanto “instituição pública, e que atua na dimensão educacional, cresce a cada ano com o propósito de ofertar à comunidade educação de qualidade por meio da manutenção de cursos existentes e implantação de outros”. Sobre as seis novas possibilidades de formação que os candidatos têm à disposição nesta seleção, o professor Moisés mostra que são cursos demandados pela sociedade: “quando a Instituição implanta um curso, é porque já houve pesquisa na comunidade que informa o que há de necessidade. O IFRO atua, fortemente, nas dimensões do ensino, pesquisa e extensão e, apesar de ser uma instituição nova, já se destaca no cenário regional e nacional”.
Atualmente, o Instituto Federal de Rondônia oferta 128 cursos, com quase 16 mil estudantes nas modalidades presencial e a distância. Contando com mais de 1,1 mil servidores, sendo 611 docentes.

Já em andamento
“Neste ano de 2017, o IFRO implantou no Campus Vilhena o curso de Arquitetura e Urbanismo; Engenharia e Controle de Automação e Tecnologia em Rede de Computadores, no Campus Porto Velho Calama; em Guajará-Mirim iniciaram os cursos de Licenciatura em Ciências e Técnico em Biotecnologia; já o curso de Zootecnia passou a ser ofertado nos campi Colorado e Cacoal”, explica Moisés Rosa.  Os iniciados em 2017 também representaram um desafio de crescimento ao Instituto Federal de Rondônia.  Em 2016, o IFRO contava com mais de 11 mil estudantes matriculados, com seu leque de ensino abrangendo educação profissional técnica de nível médio, cursos superiores de tecnologia, licenciaturas, bacharelados, além dos programas de pós-graduação lato e stricto sensu, cursos de extensão e cursos de formação inicial e continuada.  “Destaca-se, enfim, que o compromisso dos gestores do IFRO é trabalhar, incessantemente, para que as pessoas, sobretudo, as mais vulneráveis, tenham uma educação que as transporte para uma dimensão social digna, em que seus direitos de cidadãos sejam, de fato, regra e não exceção”, avalia o pró-reitor.        
As metas institucionais constam no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 2014-2018) e no Plano Nacional de Educação 2014-2024, com o IFRO abrindo possibilidades aos candidatos rondonienses de acesso à educação pública profissional e tecnológica nos diversos níveis (médio e superior) e modalidades (presencial e EaD).
O estudante de Guajará-Mirim, Álvaro Victor de Oliveira Aguiar, de 17 anos, conseguiu uma das vinte vagas destinadas da Engenharia de Controle e Automação no PSU anterior. Este foi o curso superior mais concorrido de 2017, com 67,90 candidatos por vaga e total de 1.358 inscritos. Na área de estudo do curso estão reunidos conhecimentos em mecânica, eletroeletrônica, informática e controle, uma formação multidisciplinar que permite ao profissional atuar em setores tecnológicos e científicos característicos da profissão, tais como atividades industriais nas áreas de eletrônica, computação, biotecnologia, controle, instrumentação, entre outras.
Álvaro conta que sempre foi aluno de escolas públicas e mesmo antes da inauguração do Campus Guajará-Mirim alimentava o sonho de um dia estudar no IFRO. A primeira oportunidade apareceu em 2015, quando ele ainda era estudante da EEEFM Alkindar Brasil de Arouca, numa área de seu interesse, que era informática. Então, pôde cursar os 18 meses do Técnico Concomitante ao Ensino Médio Presencial em Manutenção e Suporte em Informática. O bom desempenho na escola normal e no contraturno escolar o fizeram participar de pesquisa junto ao Observatório do IFRO e ter participação em eventos com a apresentação de artigos e banners, por exemplo. No mês de janeiro de 2017, período de matrícula para o curso do IFRO, Álvaro estava concluindo as 200 horas de estágio curricular. “Em Guajará muita gente anda de bicicleta, e quando eu passava pela obra do campus do IFRO, ficava sempre na expectativa. Quando entrou em funcionamento, eu pesquisando no site descobri que teria o edital. Agora com a graduação, no Campus Calama, espero além de me qualificar para o mercado de trabalho, eu procuro conseguir o máximo de apoio da instituição. Pretendo fazer várias coisas que não fiz durante o concomitante, ter novas experiências, para quando me formar conseguir arranjar um bom emprego. Para mim, o Instituto Federal é uma oportunidade que todos, se quiserem, podem conseguir”.
Tainá Sousa, 17 anos, há quatro anos deixou os pais em Ji-Paraná para morar com parentes em Vilhena e cursar o Ensino Médio no Campus do IFRO. A experiência foi boa e ela pretendia continuar no Instituto. “A escolha por fazer Arquitetura não vem de agora, era algo que queria desde que morava em Ji-Paraná e tinha interesse em ingressar na área de construção civil. Eu sabia desse curso de Edificações aqui e por isso me mudei”. Com a conclusão do Curso Técnico em Edificações, Integrado ao Ensino Médio, ela se inscreveu e conseguiu vaga no curso superior de Arquitetura. “Eu já havia escolhido Arquitetura para fazer, tanto que estava planejando ir morar em Mato Grosso. Eu achei maravilhoso, não precisar sair de minha cidade, vou continuar, porque já estou estudando mesmo no IFRO”.  A estudante diz que outra vantagem no ensino verticalizado ofertado pelo IFRO é a possibilidade de continuar no local onde já se conhece os professores.  
Para a Arquiteta e Urbanista Ariane Zambon Miranda de fato há uma vantagem para o aluno que já é do Instituto continuar seus estudos na chamada verticalização dos itinerários de formação entre os diferentes cursos da educação profissional e tecnológica, isso contribui para a singularidade do desenho curricular nas ofertas educativas, especialmente quando se avalia o conhecimento que possui das normativas e do ritmo de aprendizado. A professora do Campus Vilhena ainda evidencia o contexto rondoniense, que é relativamente novo e é possível contribuir urbanisticamente para já se desenvolver com projetos que prezem pela beleza e funcionalidade, diferente de cidades centenárias em que o arquiteto teria mais dificuldade em interferir urbanisticamente para fazer correções. “Daqui a cinco anos vamos formar os primeiros profissionais e vamos precisar deles não só aqui em Vilhena, mas no Estado todo e nas cidades do Mato Grosso. Este é o único curso de Arquitetura ofertado em instituição pública aqui, a formar para toda Rondônia e região”. E não só especificamente na construção civil, mas é um bacharelado versátil, em que se pode trabalhar com desenvolvimento de projetos, paisagismo, iluminação, design de interiores, patrimônio histórico e pesquisas.
Em Guajará-Mirim, a inovação de 2017 veio pelo Curso Técnico em Biotecnologia, que formará profissionais para auxiliar e executar atividades laboratoriais e industriais, nelas incluído o controle de qualidade, relacionadas à biotecnologia animal e vegetal.  A vocação da unidade situada em faixa de fronteira está no eixo tecnológico de ambiente e saúde e com o novo curso deve-se trabalhar na área de fármacos e cosméticos, “Guajará é o segundo município em extensão territorial de Rondônia, só que 93,77% é área de proteção permanente, APP, ou seja, não pode derrubar uma árvore. Então, para trabalhar numa região que não posso desmatar, não tem vocação agrícola, o forte é o comércio exterior que se vive de exportação e importação, não há como produzir nada nesse meio”, explica o Diretor-Geral docampus, Vagner Schoaba.
Dos laboratórios montados para Biotecnologia futuramente poderão ser formados, por exemplo, biomédicos e farmacêuticos bioquímicos.  Em breve, devem passar a ser ofertados os Cursos Técnico de Análises Clínicas e Informática, os dois na modalidade subsequente ao Ensino Médio. Para escolha da atuação do campus e quais cursos fariam parte de seu leque de ofertas, foram feitas pesquisas que verificaram expectativas da população, comércio e a vocação dos municípios. Uma dessas pesquisas, PAER (Pesquisa de Atividade Econômica Regional), em 2015, apontou para as regiões de Guajará, Guayaramerin e Nova Mamoré em primeiro lugar o turismo como uma das áreas a serem adotadas no campus, mas esse é um ramo econômico dependente de investimentos da iniciativa privada, mais que do setor público (que é responsável especialmente pela infraestrutura, como estradas e aeroportos).
“Nós visualizamos em saúde a possibilidade, porque é um mercado que nunca está saturado. Com uma área de preservação muito grande, tem reservas extrativistas com famílias morando. Guajará-Mirim é o maior produtor de castanha do Sul da Amazônia e a castanha é toda vendida in natura para a Bolívia”, diz Schoaba. A castanha pode ser transformada em diversos produtos ligados à área de fármacos.  Pela verticalização do curso Técnico em Biotecnologia veio a Licenciatura em Ciências iniciada este ano, que após quatro semestres o acadêmico escolhe qual habilitação seguir: Química ou Biologia.

Implantado em 2016
Para a implantação do Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio do Campus Cacoal, que iniciou a primeira turma em 2016, o projeto levou em conta possuir um currículo flexível em meio à mutabilidade das cadeias produtivas e ainda a empregabilidade aos egressos para atender às demandas do mercado local. Os profissionais do agronegócio formados pelo IFRO terão a habilidade para gerir, assessorar, monitorar e avaliar os assuntos relacionados ao agronegócio.
A Professora de Administração do Campus Cacoal, Saiane Barros de Souza, acompanhou a primeira turma do Curso Superior em Tecnologia em Agronegócio nos dois semestres de 2016. Ela explica que a aplicação de técnicas de gestão é o foco do curso para o desenvolvimento de pequenas, médias e grandes propriedades rurais, nas quais Rondônia ainda necessita de novos profissionais com visão para transformar a realidade do setor do agronegócio que é muito abrangente. “A perspectiva aqui é excelente, os alunos são muito engajados e querem que esse curso tenha uma repercussão de reconhecimento da valorização desse profissional. Eles querem ir a frente, desenvolver projetos para a comunidade e empresários. Foram aprovados vários alunos egressos do cursos técnicos em Agropecuária e Agroecologia do próprio IFRO, filhos de produtores rurais de café, apicultores, pecuaristas, e inclusive alunos que vieram de Rondolândia no Mato Grosso”. Saiane ainda destaca que foram realizadas visitas técnicas buscando aproximar os acadêmicos da realidade que irão atuar, conseguindo aumentar o interesse em buscar o máximo de conhecimento em administração para suporte de consultoria rural.
 Fonte: Assessoria IFRO

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: