Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 22 de julho de 2017

Batalhão da PM Ambiental de RO aumenta em 20% a sua atuação, no comparativo com o 1º semestre de 2016

A estatística do 1º semestre revela números expressivos: o BPM trabalhou em 550,29 mil hectares de áreas desmatadas, apreendendo 134 caminhões, a maioria deles devolvidos aos donos, em audiências judiciais.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No período de seis meses, de 1º de janeiro até 30 de junho, com 363 laudos de apreensão lavrados, o Batalhão de Polícia Ambiental da PM de Rondônia (BPM) apreendeu 2,51 milhões de metros cúbicos de toras; 356,4 mil m³ de madeira serrada; 363,2 mil m³ de lascas; e 78,1 mil metros estéreos de carvão. O pátio está cheio de caminhões de toras.
Metro estéreo é a medida de uma pilha de madeira com 1 metro de comprimento, um de largura e um de altura com espaços vazios entre as peças, ou seja, elas não se encaixam precisamente.
“Fizemos 20% mais do que no mesmo período do ano passado”, comentou nesta quinta-feira (20) o subcomandante do BPM, capitão Davi Machado Alencar, na sede da unidade, em Candeias do Jamari, a 18 quilômetros de Porto Velho.
 A estatística do 1º semestre revela números expressivos: o BPM trabalhou em 550,29 mil hectares de áreas desmatadas, apreendendo 134 caminhões, a maioria deles devolvidos aos donos, em audiências judiciais.
No primeiro semestre, no rio Madeira, que banha a Capital rondoniense, oito balsas e 12 dragas foram retiradas de operação. O BPM apreendeu ainda 22,9 toneladas de pescado; 72 pássaros, 74 motosserras, 31 pedras preciosas, 3 ml m³ de areia, balanças, tratores, geradores, escavadeiras, bombas de sucção, mangueiras, entre outros.
A poluição sonora está sempre em pauta no dia a dia dessa unidade: nesse primeiro semestre, 446 instrumentos musicais e caixas de som foram apreendidos em Porto Velho e região, devido à perturbação do sossego, pelo funcionamento em volume não permitido.
Embora o trabalho de fiscalização florestal seja do Ibama, com o apoio da Polícia Federal, é o BPM quem faz vigorar a lei, por exemplo, em garimpos ilegais. “Nesses lugares, todo efetivo em campo é nosso e 100% das operações dão resultado”.
Em seis subunidades (Alta Floresta do Oeste, Guajará-Mirim, Jacy-Paraná, Ji-Paraná, Machadinho do Oeste e Vilhena) o BPM atua em diversas frentes.
Um dos grandes calos, senão o maior deles, na missão dos policiais do BPM, é o chamado DOF [Documento de Origem Florestal, eletrônico], com o qual madeireiros de má fé se valem de seus toreiros [motoristas que transportam madeira bruta] para burlar a fiscalização.
Ele explicou: “Esse documento tem validade para cinco dias, e nesse período o transportador usa e abusa para fazer outros carregamentos não autorizados, e assim, aumenta a estatística da atividade ilegal, com a ocorrência de saldo virtual, aquele declarado pelo madeireiro, quando não existe o produto”.
Por causa disso, por exemplo, em junho deste ano a Secretaria  Estadual de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) bloqueou as atividades de quatro empresas nos municípios   de Itapuã do Oeste, Buritis, e no distrito de Vista Alegre do Abunã, autuando-as pela comercialização “apenas de seus saldos virtuais”.
Elas fraudaram DOFs que somaram a liberação de 21 mil m³ de madeira, originando autos de infração de R$ 6,3 milhões.


Fonte: Assessoria

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: