Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 19 de abril de 2017

MPF/RO recomenda à UNIR que altere formulário de autodeclaração étnica

Vagas da cota para indígenas podem estar sendo ocupadas por não-indígenas no vestibular da Universidade Federal.
CONTINUA LOGO DEPOIS DA PUBLICIDADE

As vagas da cota para indígenas no vestibular da Universidade Federal de Rondônia (Unir) podem estar sendo preenchidas por não-indígenas. Essa foi uma reclamação de lideranças indígenas apresentada ao Ministério Público Federal (MPF/RO). O órgão analisou que o formulário de autodeclaração de raça e etnia utilizado pela Unir pode estar contribuindo para que outros alunos preencham indevidamente as vagas da cota dos indígenas.
O procurador da República Daniel Lôbo explica que no modelo atual do formulário de autodeclaração o candidato apenas marca um "X" para identificar sua raça ou etnia (se é indígena, negro ou pardo). Por isso, o MPF/RO expediu uma recomendação ao reitor da Unir, Ari Ott, para que a partir do próximo vestibular adote formulário de autodeclaração qualificada para indígenas.
No novo formulário, o candidato deverá declarar acerca da comunidade ou povo indígena a que pertença, identificar terra indígena, aldeia ou endereço urbano ou rural em que vive, bem como o parentesco por consanguinidade ou adoção que demonstre sua ascendência indígena.
Para o MPF/RO, indígenas que vivam em meio urbano podem ser contemplados pela cota, mas o simples parentesco por afinidade, adquirido por meio do casamento de não-indígena com indígena, por exemplo, não dá direito a utilizar vaga da cota destinada aos indígenas.
Na manhã de hoje, 18 de abril, o reitor da Unir, Ari Ott, esteve na sede do MPF em Porto Velho para obter mais informaçõessobre a recomendação. O procurador Daniel Lôbo disse que a recomendação servirá para inibir que candidatos não-indígenas preencham as vagas reservadas aos indígenas. Ele também esclareceu que não há necessidade de a Unir fazer diligências nas aldeias para comprovar a veracidade da autodeclaração e que o controle seria apenas posterior, em casos suspeitos.
A Unir tem prazo de dez dias úteis para responder se acatará ou não a recomendação. As coordenadorias regionais da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Ji-Paraná, Guajará-Mirim e Cacoal também receberam cópias da recomendação, para acompanhamento de seu cumprimento.
Cotas para indígenas - A reserva de vagas nas universidades federais faz parte de uma política de ação afirmativa e é regulamentada pela Lei Federal nº 12.711, de 2012. Em cada curso e turno, as vagas destinadas a indígenas, negros e pardos são calculadas de acordo com o percentual de cada minoria étnico-racial, conforme dados do último Censo Demográfico do IBGE. Em Rondônia, há aproximadamente 1% de indígenas, 7% de negros e 55% de pardos. Com base nesses percentuais, a Unir calcula as vagas reservadas.
Daniel Lôbo esclarece que, embora o critério legal para o preenchimento dessas vagas seja o da autodeclaração, a lei não especifica nem a forma nem o conteúdo do que deve ser declarado, razão pela qual "a autodeclaração deve estar alinhada às demais normas legais e constitucionais que regem a matéria, interpretadas de maneira harmônica".
Segundo ele, "a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Constituição trazem um conceito normativo de 'índio', que está referenciado a elementos étnico-culturais de um determinado povo, não atrelado a uma simples declaração individual". Acrescenta, ainda, que o Estatuto do Índio prevê que "índio é todo indivíduo de origem e ascendência pré-colombiana que se identifica e é identificado como pertencente a um grupo étnico cujas características culturais o distinguem da sociedade nacional".
Ele ressalta que o sistema de cotas é uma das medidas adotadas para garantir aos povos indígenas a possibilidade de adquirir educação em todos os níveis, pelo menos em condições de igualdade com o restante da comunidade nacional. “Mas a utilização de critério de autodeclaração desacompanhada de mecanismo de controle frustra completamente os nobres objetivos da política pública”, diz.
O procurador alerta que declarar falsamente a condição de indígena no formulário da Unir caracteriza crime de falsidade ideológica, além de possibilitar a anulação do ato que admite, no curso universitário, o aluno que se favoreceu indevidamente das vagas destinadas aos índios, por força de lei.

Fonte: Assessoria MPF

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: