Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 24 de abril de 2017

MPF/RO recomenda que maternidade de Guajará-Mirim só faça cesarianas em casos necessários

Além do sentido pedagógico e preventivo, as medidas recomendadas visam reduzir a mortalidade infantil e melhorar a saúde materna
A recomendação foi realizada ao Hospital Bom Pastor (Pró-Saúde), respon´savel hoje pela terceirizada da maternidade
O Ministério Público Federal (MPF/RO) expediu recomendação à maternidade no hospital Bom Pastor, localizado em Guajará-Mirim, para que as cirurgias cesarianas só sejam feitas nos casos em que são necessárias. Para o órgão, esse procedimento cirúrgico gera riscos imediatos e a longo prazo.
A recomendação também orienta que o hospital determine a utilização do cartão gestante como documento obrigatório, no qual deverá constar o registro de todo pré-natal e que os obstetras usem o partograma, documento gráfico onde é registrado tudo o que acontece no trabalho de parto e possibilita a avaliação de uma correta indicação de cesariana. Além disso, a maternidade deve utilizar a Classificação de Robson (sistema padronizado que monitora as taxas de cesariana em todo mundo) como instrumento padrão.
Outra medida recomendada pelo MPF/RO é para os casos em que a cirurgia seja realizada a pedido da gestante. Nestes casos, deve ser elaborado um “termo de consentimento livre e esclarecido” com as indicações e os riscos da cirurgia cesariana, bem como a identificação completa do médico e da paciente.
A recomendação foi assinada pela procuradora da República Daniela Lopes de Faria. Ela expõe que aOrganização Mundial de Saúde estabelece que as taxas ideais de cirurgias cesarianas fiquem entre 10% e 15%. A procuradora também argumenta que, em 2011, foi instituído no Sistema Único de Saúde a Rede Cegonha, que consiste em uma rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento reprodutivo e a atenção humanizada à gravidez, ao parto e ao pós-parto, bem como à criança o direito ao nascimento seguro e ao crescimento e ao desenvolvimento saudável.
A maternidade tem prazo de 15 dias para se manifestar quanto ao acatamento ou não da recomendação.Em caso de descumprimento injustificado da recomendação poderá haver responsabilização dos gestores públicos.

Fontr: Assessoria MPF/RO
Enviar
m

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: