Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 21 de abril de 2017

Crônicas Guajaramirenses - Eurácio e as melancias

Por Paulo Saldanha
CONTINUA LOGO DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por Paulo Saldanha
Convém decifrar, de plano, esse sujeito com tantos predicados, conhecido informalmente como Eurácio Torito, morador transitório nesta fronteira Brasil/Bolívia, em Guajará-Mirim.
De vez em quando o vejo por aqui e conversamos descontraidamente. Como parece ser elemento tosco, vejo-o além: para mim, pelas reações, nem bipolar chega a ser, ultrapassa esse limite... é multipolar. Às vezes é um lorde, noutras um monge tibetano; costumeiramente se transforma em insano cidadão, embora sempre trazendo consigo a rara inteligência que o privilegia. Mas a deseducação não o aperfeiçoa nas sendas da sabedoria.
Quando menino ele tinha uma tara: comer melancias ao alvorecer, ao meio dia e ao despedir do sol, em qualquer lugar e a qualquer hora que fosse possível.
Agora decifro a melancia, segundo os dicionaristas: “o nome de uma erva trepadeira rastejante originária da África.”
Eram, aqui e naquela época, caras e escassas.
Desde os cinco anos Eurácio sonhava com as tais melancias. Garotinho ainda, era cabeçudinho e barrigudinho - em face da enorme pança que disfarçava as toneladas de bichas que guardava em suas entranhas e que mexiam e remexiam ensandecidas, querendo receber em seus interiores a cor vermelha das famosas “Citrullus lanatus”. E repito: àquela época, frutas raras e de alto valor.
E também compondo o físico de Eurácio, naquele tempo, já com onze para doze anos, se viam suas canelinhas secas e finas, riscadas pelos cortes de arame farpado das casas vizinhas para onde convergiam as suas andanças buscando recolher também cajás, cajaranas, abacates e mangas, canelas essas que mais pareciam gravetos de mata terciária, tortas e sujas, tisnadas de carvão.
Um dia, Rinaldo dos Anjos Arcanjo convidou Eurácio para passear no seu sítio, um lugar aprazível na beira do rio. E ele foi exultante! Parecia pinto no lixo, feliz da vida pela oportunidade do passeio...
Lá chegando, seus olhos pareciam estar descortinando o Paraíso: viu uma plantação de melancias em instante de colheita. E perguntou Eurácio a Rinaldo, incrédulo:
–Colega, coleguinha, esse melancial é todo teu?
Em seguida teve uma vertigem em face da violenta emoção que lhe dominou! Jamais havia tido tal visão: uma colossal plantação daquela planta rasteira, verdinha, verdinha e com aqueles abençoados frutos redondos e enormes. E acabou meio que desmaiando, em transe. Nessa alucinação que lhe tomou intuiu que aquelas melancias eram suculentas e doces, com a sua polpa avermelhada lembrando os lábios carnudos da Claudia Cardinale (atriz italiana bonita e sensual famosa nos anos 60), que, entreabertos, faziam-lhe um convite à volúpia de um beijo. Mas tal lascívia não lhe interessava, visto desejar apenas tragar goela abaixo a polpa ‘encarnada’ (diria meu pai) do abençoado fruto.

Todavia, no seu sonho aparecia agora um homem interferindo durante o degustar da terceira melancia imaginária, dizendo-lhe:

–Colega, essa fruta africana revela possuir alto teor de água e carboidratos, sais minerais e complexo “B”, bem como cálcio, ferro e fósforo. Mas entre ela e a Claudia Cardinale aí ao teu lado, eu fico com a Claudia!

E Eurásio, ainda no transe:

–Pois então fique com a Claudia, seu ‘desinfeliz’, e não me atrapalhe, pois nesse melancial todo eu sacio o meu desejo carnal...

E então Eurácio acordou do desmaio, embrenhou-se rastejante naquela plantação verdejante e esparramada e comeu não uma, nem duas e tampouco três melancias, e sim onze delas, que estavam violentamente aquecidas em razão do sol a pino. Logo ao dar a última mordida na última porção da décima primeira melancia, seus olhos quase saíram das órbitas, ficando cegueta temporariamente e com as pernas secas totalmente bambas... Mal chegou à sua casa, caiu no alpendre. Foi socorrido.

Horas depois o médico lhe receitava um chá bem forte das folhas de abacateiro, posto que uma diarréia, uma violenta infecção intestinal, estava consumindo a vontade de viver de Eurácio Torito, o menino que adorava melancias.

E ele sobreviveu e está aí comemorando seu aniversário, ainda cabeçudinho, barrigudinho, de canelas secas e bunda chocha, fazendo raiva aos homens e mulheres de boa vontade!


* PAULO CORDEIRO SALDANHA: Nasceu em 1946, em Guajará–Mirim, Rondônia. É Advogado e hoteleiro. Foi Presidente de Bancos Estaduais de Rondônia e Roraima, Diretor do Banco da Amazônia e Diretor–Geral do Tribunal Regional do Trabalho da 14º Região. Cronista e Romancista. É Membro Fundador da Academia Guajaramirense de Letras-AGL e Membro Efetivo da Academia de Letras de Rondônia-ACLER.

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: