Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 26 de março de 2017

Coluna Almanaque - EU TAMBÉM VOU RECLAMAR

Por Fábio Marques
 Por Fábio Marques
Tenho ouvido de alguns amigos reclames sobre meus últimos artigos. Segundo eles, a Coluna teria mudado o discurso, ficou mais maneira, não está mais falando as verdades que doem; em suma, ficou mais light. Outros, mais atrevidos, chegaram até a cogitar que eu estaria vendido para o comando do Palácio Pérola. Não rebato as críticas como injúrias até porque nunca me apresentei como o tipo que rascunha tudo aquilo que lhe faz cócegas na cabeça e acaba na mão que empunha a caneta. Mas a verdade é que não está havendo nenhum tipo de negócio com o poder que gerencia a cidade por conta da Coluna ter ficado mais light.
O que está havendo é que, seguindo a conselhos médicos, resolvi diminuir a estafa em vista dos últimos exames que fui obrigado a fazer, e que pelo resultado do check-up, parecem recomendar além da abstenção de picanhas e buchadas com mocotó, também pedem menos estresse neste período de dieta. Trata-se portanto de um regime, de uma trégua.
Mas existem coisas que não dá para se conformar. Quando, por exemplo, aparece por aqui deputado fulano de tal lá de Porto Velho ou Sicrano de tal lá de Brasília, se metendo nos assuntos da cidade, descendo o cacete em prefeito, botando a culpa na Câmara pela situação e passando a mão na cabeça de candidatos de seus agrados; e quando isto acontece tudo fica por isso mesmo, nem ao menos uns cascudos acabam levando, é porque alguma coisa está errada. Faço aqui um parágrafo para tomar uma Itaipava e em seguida retorno. Parágrafo.
Uma das piores coisas para o Estado de direito é as pessoas que dele fazem parte usarem de forma ilícita o aparato estatal para atingir seus nefastos objetivos. Nesta cidade, aqui e acolá a gente vê agentes burocratas que nada fazem e ao mesmo tempo usufruem de conforto e bens materiais que não condizem com o salário que recebem. Ora! Dois mais dois são quatro. Nunca vão dar mais que isso na máquina de calcular. A praxe é a seguinte: que se dane a justiça, o que importa são os interesses. O apego ao dinheiro e ao status como válvula de escape para recalques, à custa de propinas, achaques ou corrupção pura e simples e o desapego aos valores éticos parecem que andam em alta por aqui. É de arrombar os culhões!
E os problemas se misturam. É a verdade do universo e a prestação que vai vencer. À maneira do saudoso poeta e roqueiro baiano Raul Seixas, hoje também me vejo obrigado a entrar em casa com a garrafa de bebida enrustida porque a mulher não pode ver. Aí de vez em quando me aparece um imbecil que pergunta porquê que com meu talento e vocação para a escrita, a Academia dos escribas de Guajará-Mirim nunca me ofertou convite para fazer parte da equipe. Sou obrigado a explicar primeiro que não sou escritor de elite, sou escritor marginal, aquele que escreve o que o povo discute nos bares e tabernas e segundo porque este título jamais iria pagar as minhas contas. O maior título do cara que escreve são seus leitores e são somente estes leitores que justificam o fato de eu continuar aqui.
E fim de papo.
Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: