Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 24 de dezembro de 2016

Proerd forma 102 alunos indígenas na Aldeia Deolinda em Guajará-Mirim

Programa foi levado pela 1ª vez a uma aldeia indígena do Estado. Curso será estendido para outras duas aldeias em 2017, segundo a PM.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aldeia indígena de Guajará-Mirim participa de programa da PM contra as droga.
Após pouco mais de dois meses participando do projeto piloto da Polícia Militar (PM), que levou pela primeira vez o Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência (Proerd) para uma aldeia indígena de Rondônia, 102 índios de oito etnias se formaram na última quinta-feira (22) na Aldeia Deolinda, situada na zona rural de Guajará-Mirim, a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho. A aula inaugural aconteceu no último dia 20 de outubro.
A comunidade tem 162 moradores das etnias Canoé, Macurap, Wajuru, Oro Nao, Oro Eo, Jaboti, Tupari e Surui, e está localizada às margens do Rio Mamoré, a 60 quilômetros do município. O acesso ao local só pode ser feito de barco, com tempo de viagem aproximada de uma hora e meia. As aulas e a formatura aconteceram na Escola Estadual Indígena Pedro Azzi, dentro da própria aldeia.
Os participantes de 4 a 85 anos receberam certificados, além de uma premiação simbólica de medalhas e panetones para os autores das três melhores redações sobre o programa. Depois da inauguração oficial, as aulas foram realizadas uma vez por semana, sempre às quintas-feiras, a partir das 9h.
Proerd foi implantado pela primeira vez em uma
aldeia indígena de Rondônia.
 O comandante do 6º Batalhão de Polícia Militar (6º BPM), Tenente Coronel Lauri Guillande, falou sobre o objetivo do Proerd e avaliou de forma positiva a implantação do projeto em uma comunidade indígena pela primeira vez no estado.
“A meta sempre foi mostrar para as crianças, adolescentes, jovens, adultos e os pais sobre os riscos de se envolver com entorpecentes, bebidas alcoólicas e violência. Dividimos os alunos em quatro categorias conforme o currículo de cada faixa etária. Trabalhamos com o ‘Proerd Infantil’, ‘Proerd 5º Ano’, ‘Proerd 7º Ano’ e ‘Proerd Pais’, e foi um sucesso. O cacique nos relatou que todos ficam cantando a música, mesmo em rodas de brincadeiras, dai a gente tira o quão importante foi a ida desse projeto até lá”, comentou.
Manutenção do projeto e expansão para 2017
Ainda de acordo com a PM, mesmo após a formatura através do projeto piloto, o Proerd irá continuar na Aldeia Deolinda, mas como método de manutenção, ou seja, os instrutores irão até a aldeia uma vez por mês e irão trabalhar durante algumas horas sobre os ensinamentos repassados e desenvolver atividades coletivas para incentivar os participantes a manterem a postura adquirida nas aulas.
Como já havia sido divulgado na época da aula inaugural, o projeto vai ser levado também para outras aldeias indígenas da região. As primeiras duas comunidades que irão receber o programa em 2017 serão a Aldeia Rio Negro Ocaia, a partir de março, além da Aldeia Ricardo Franco, no começo do segundo semestre. As duas aldeias vão receber o Proerd de forma definitiva, e não só como projeto piloto. A expectativa é que aproximadamente mil indígenas sejam formados no programa até o final do próximo ano.

Fonte: G1.

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: