Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 16 de dezembro de 2016

Distrito de Iata, em Guajará-Mirim, ganha uma estação de tratamento de água

O sistema custou R$ 1 milhão, dinheiro da Caerd, a Companhia de Água e Esgotos de Rondônia. “A obra começou do zero e foi feita aos poucos”, segundo Iacira Azamor, presidente da companhia.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O distrito de Iata, localizado a 27 quilômetros do centro de Guajará-Mirim, ganhou, quinta-feira (15), uma estação de tratamento de água. Tão importante quanto preservação da saúde das 170 famílias é fator inclusivo, uma vez que reforça a presença do estado na região.
O sistema custou R$ 1 milhão, dinheiro da Caerd, a Companhia de Água e Esgotos de Rondônia. “A obra começou do zero e foi feita aos poucos”, segundo Iacira Azamor, presidente da companhia.
A água que serve o distrito vem de um poço e é ferruginosa, o que significa risco para a saúde. Tratar e distribuir um produto tão importante  tornou-se fundamental para a população.
Iata é um lugar histórico e calmo. A população tem na  agricultura familiar a principal atividade econômica. Aos sábados, os pequenos produtores se reúnem para fazer a comercialização no mercado de Guajará-Mirim.
O governador Confúcio Moura disse que tem um carinho especial pela localidade e que levar ações de governo é, também, uma forma de combater o isolamento a que afeta a população.
Na cerimônia de inauguração, Confúcio disse que uma estação de tratamento de água para 170 famílias pode parecer pouco. “Mas estas famílias estão longe da sede do município. Estão praticamente esquecidas. É preciso fazer cada vez mais por elas”, destacou.
A relevância da estação de tratamento levou para o distrito deputados estaduais, vereadores, líderes comunitários, estudantes e professores.

HISTÓRIA
Iata originou-se do estabelecimento de trabalhadores da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré e seringueiros. Mais tarde, a colônia cearense chegou para contribuir com as práticas agrícolas, após a criação do Território Federal do Guaporé, em 1943. Mas a ligação da localidade com Guajará Mirim era feita por uma estrada de terra que precisava de manutenção regularmente.
Só em 2013, o trecho de sete quilômetros foi asfaltado até a BR 429, que liga Guajará Mirim à BR 364. A obra, segundo Confúcio Moura, faz parte dos esforços para integrar e desenvolver a região.
O governador deixou claro que gostaria de dar uma destinação prática ao imenso casarão que foi construído pelo governo federal para ser uma escola-hotel e que nunca foi inaugurado. A decisão, entretanto, envolver órgãos federais e não há consenso sobre o assunto.

DEFENSORES
O, governador citou o deputado Neidson Barros e os vereadores de Guajará como defensores incansáveis da região. O prefeito Dúlcio Mendes, que deixa o cargo no final do ano, agradeceu pelas obras realizadas pelo governo estadual em Guajará-Mirim. Segundo ele, a partir de contrato firmado com a Caerd será possível atender melhor  a população com serviços de água tratada e esgoto.
O distrito de Iata tem importância histórica para a região. Surgiu antes da cidade de Guajará Mirim e foi cortado pelos trilhos da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.
O local é visitado todos os fins de semana por famílias que  procuram uma bela paisagem e comida caseira.  Também é ponto de encontro de pescadores que se aglomeram na cachoeira  existente no rio Mamoré. 
Fonte: Secom - Governo/RO.

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: