Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 6 de dezembro de 2016

Coluna Almanaque - QUEIMA DE ARQUIVO

Por Fábio Marques
Por Fábio Marques
Não disposto a escrever sobre política durante o período de festas, resolvi remexer na minha caixinha de papelão onde costumo depositar alguns recortes apanhados durante anos a fio de leitura e conversa de boteco, a fim de substanciar os leitores com algumas crônicas que vão muito além daquela obrigação de parecer relevante. Recado: nem todas as histórias são tidas e havidas como fatos verídicos. Enquanto outras, garantem amigos, realmente merecem fé cartorial.
#########

Havia umas vinte pessoas no antigo Bar Por-do-Sol. Em meio ao silêncio, um cidadão falava ao orelhão bem pertinho da entrada: - O quê? Você ta chupando o pau dele? – Como? Parece uma calabresa da Sadia recém saída do freezer? – Passou leite condensado no grelo?- Tem certeza de que é o Januário?
Neste momento, uma socialite metida a besta que estava sentada numa mesa bem próxima, irritada dirige-se ao balcão e fala com o caixa em voz alta: - qual o telefone da Polícia?
E a galera do bar: - Cala a boca aí piranha, que a gente quer escutar a história.
##########

Como Platão fizera há mais de dois mil anos, aqueles dois deram as costas para a abertura da caverna e ficaram olhando a imensidão infinita ao redor. – Diante deste panorama que parece se estender pela eternidade – perguntou o pai ao filho – como você pode duvidar que existam outras vidas inteligentes além de nós?
O filho foi obrigado a concordar com o pai.
Neste momento um bêbado que vai passando acertou um pontapé no rato morto na calçada e em cujo cu os dois tapurus discutiam filosofia metafísica.
##########

Três horas da madruga no Boca Negra dos anos 60. Em meio à friagem de Agosto que ocorria naquela época, apenas duas prostitutas que não se falavam. Sós, frientas e tristes em seu pequeno mundo de dor e ignorância. Naqueles tempos de friagem, ninguém saía de casa e ambas estavam sem nenhum centavo. Assim mesmo nenhuma queria dar o gostinho para a outra. Ao se cruzarem pela vigésima vez, uma disse para a outra:
- E aí chupadora de rola!
E a outra:
- Melhor ser chupadora de rola que nem eu do que ser dadeira de cu que nem tu.
##########

Nos idos anos 70, quando por aqui aportou, Padre Gabriel tinha por hábito visitar a zona rural todos os finais de semana. Um certo domingo estava lá pelas bandas da Vila Murtinho, mais precisamente na casa de um vilão (morador da vila)quando deparou-se com o filho do Nego Belém que possuía uma fazenda por aquelas cercanias a conduzir um touro pela estrada. Cheio de curiosidade o padre perguntou: - Ó rapazinho, para onde você está levando este touro?
-Tô levando para cruzar com a vaca da fazenda do Pedro Liodoro.
- E teu pai não pode fazer isso?
- Não, tem que ser o touro.
##########

Despacho que foi publicado num jornal de renome do Estado e que merece ser transcrito tal como foi publicado: “Despacho na Secretaria de Educação sobre uma professora. Heloísa Freitas, que pediu a juntada de seu nome o sobrenome Pinto. Não consta que Dona Heloísa tenha Pinto. Se o tem, até agora não usou. Se o Pinto é de seu marido , tem o direito de usá-lo oficialmente. Defiro à Dona Heloisa o uso do Pinto, desde que provada sua existência.
Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: