Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 1 de novembro de 2016

Unidade de Coleta de Sangue em Guajará-Mirim será parcialmente desativada

O anúncio da desativação da Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue em Guajará-Mirim foi realizado no início da tarde desta terça-feira (01) pelo coordenador administrativo da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron).
O anúncio da desativação da Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue em Guajará-Mirim foi realizado no início da tarde desta terça-feira (01) pelo coordenador administrativo da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron).
Durante a acalentada reunião onde estiveram presente os servidores lotados na Unidade, dois representantes da Fhemeron, sete vereadores, presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marcos Roberto da Silva, e alguns membros da comunidade. O coordenador administrativo, Gilberto Alves, anunciou a parcial desativação da Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue, que passará a ser uma agência de coleta, onde parte dos 42 servidores lotados permanecerão apenas 18 na Unidade e os demais 24 servidores serão entregues (à disposição) a Secretaria de Estado da Saúde. De acordo com o mesmo a coleta de cada bolsa de sangue coleta em Guajará-Mirim tem um custo de R$ 1.699,00 para a Fhemeron. Alegou que as despesas serão cortadas, afirmando que por decisão do presidente da Fhemeron, Dr. Orlando Ramires, representante da Secretaria de Estado da Saúde do Estado e do governador Confúcio Moura, a Unidade terá coleta externa, porém programada onde virá funcionários de Porto Velho ganhando diárias para realizar a coleta programada.
A escala dos 18 servidores e a lotação dos demais não foi definida, ficando prevista para quinta-feira  (03) a chegada de uma servidora da Sesau para realizar a lotação.

O coordenador alega que a abaixa coleta de 26 a 30 bolsas mensais não são suficientes o que determina o Ministério da Saúde de 60 bolsas mensais, conforme anunciando. Mas para a enfermeira Cleonice Ferraz de Lima, é preciso diferenciar a região nordeste, sudeste e demais da região norte. “Aqui na região norte, somos diferentes, temos um alto índice de hepatite e problemas atípicos. É preciso uma política diferencia para a região a Norte”, alegou durante a reunião.
O vereador eleito Adanildson Sicsú (PSB), disse que a notícia apresentada pelo coordenador não agradava os servidores e nem a população guajaramirense, que esperava uma boa notícia e não uma negativa. “É inadmissível, querem tirar o pouco que temos em Guajará-Mirim, o Hospital Regional voltará a funcionar a todo vapor e com a pouca quantidade de sangue pode prejudicar e perdemos vidas”, salientou insatisfeito com a decisão o vereador Sicsú.

Para o presidente do Conselho Municipal, Marcos Roberto, a decisão deveria ter sido comunicada para as autoridades e sociedade. Afirmou que o Conselho Estadual da Saúde estará somando forças.
A secretária municipal, Sâmia Melgar, participou do início da reunião, realizou algumas indagações e disse entender que Gilberto Alves foi escolhido como o porta voz de uma péssima decisão. A secretária deixou a reunião e seguiu para o prédio da Promotoria Pública onde comunicou ao Poder Público sobre a decisão tomada pelo Governo do Estado em paralisar parcialmente as atividades da Unidade de Coleta.

Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue
Fundada há 19 anos em Guajará-Mirim, durante o decorrer do ano a entidade cresceu suas funções no município, saindo de uma sala existente na antiga Maternidade Municipal, com a instalação do prédio em frente à Câmara de Vereadores, o número de funcionários e de bolsas coletadas cresceu. Atualmente a Unidade tem em torno de 10.000 pessoas cadastradas, o horário de funcionamento da Unidade também por ordem da Fhemeron reduziu de segunda, terça e quarta-feira de 7h até às 13h, e na quinta-feira de 7h até às 10h, a amostra coletada durante a semana é encaminhada para Porto Velho na quinta-feira depois das 10h. Para uma servidora, disse a reportagem do O Mamoré que preferiu não se identificar, nem todo doador consegue comparecer no horário de funcionamento, além do mais a coleta externa foram cortadas devido a contenção de despesas. “Acabamos ficando ociosos com o horário que ficou vago, queremos trabalhar, mas recebemos ordens. Esta redução justifica o baixo número de coleta mensal”, denunciou.

Mudança na decisão
O deputado estadual e membro da Comissão de Saúde na Assembleia Legislativa, Dr. Neidson Soares, ao tomar conhecimento da decisão na manhã desta terça-feira (01) buscou o presidente do Fhemeron, Dr. Orlando Ramires e representantes da Secretaria de Estado da Saúde. O parlamentar disse que foi recebido pelo Chefe da Casa Civil, Emerson Castro, que lhe foi repassado a missão de reivindicar junto ao governador Confúcio Moura de mudar a decisão da Fhemeron, para continuar em pleno funcionamento a Unidade de Coleta e Transfusão de Sangue em Guajará-Mirim.
O deputado Neidson (c) buscou pela manhã o presidente da Fhemeron, Dr. Orlando Ramires (e).
O deputado disse que não desistirá de lutar pela continuidade da Unidade no município. Os vereadores eleitos: Sicsú, Davino Serrath, Raimundo Barroso, Isaac Carrerinha e os vereadores: Sérgio Bouez, José Cleber e Arão, afirmaram que na próxima quinta-feira (03) estarão reunidos com o governador na tentativa de mudar a decisão tomada que não somente pegou os servidores de surpresa, mas autoridades estaduais, municipais e a população guajaramirense.
Se a coleta de bolsas de sangue tiver um aumento no número mensal poderá também justificar a permanência do funcionamento da Unidade, por este motivo, servidores e a coordenação da Unidade convidam a comunidade para se sensibilizar e buscar a instituição a fim de doar sangue e somar forças.

Fonte: O MAMORÉ.
Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: