Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 24 de julho de 2016

Indígena guajaramirense é aprovado no Mestrado em Geografia da Universidade Federal de Rondônia

Francisco Oro Waram é da etnia Oro Waram, também conhecida como Wari’ ou Pacáas Novos, e foi acadêmico da primeira turma do curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural da UNIR.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia (PPGG) da Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR) teve dois indígenas aprovados no processo seletivo 2016 para a modalidade de Mestrado. Francisco Oro Waram e Gasodá Suruí são os primeiros indígenas a serem aprovados em um programa de pós-graduação da UNIR e disputaram em ampla concorrência com os demais candidatos não indígenas.

  Francisco Oro Waram é da etnia Oro Waram, também conhecida como Wari’ ou Pacáas Novos, e foi acadêmico da primeira turma do curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural da UNIR. O projeto de pesquisa apresentado por ele e aprovado para ingresso no Mestrado em Geografia é intitulado “Ka’ mana krakan pin xine Makan pain makraxi Komi memem – Povo OroWari’: conflitos sociais e territoriais na Terra Indígena Igarapé Laje” e tem por objetivo principal o de “identificar os fatores que estão colocando em risco a pureza sociocultural e o espaço geográfico dos povos Wari’ na Terra Indígena Igarapé Laje”, situada nos municípios de Guajará-Mirim e Nova Mamoré, Rondônia.

  O segundo aprovado, o indígena Gasodá Suruí, pertence à etnia Paiter, mais conhecida como Suruí. O projeto apresentado por ele é intitulado “Ótica Paiter Suruí sobre a importância do mapeamento cultural como forma de fortalecimento da gestão territorial da Terra Indígena Sete de Setembro”, que fica localizada nos municípios de Cacoal e Espigão d’Oeste, em Rondônia, e no município de Rondolândia, Mato Grosso. O objetivo é “realizar pesquisa junto aos Paiterey sobre a importância do mapeamento cultural de um território indígena, para que, a partir deste entendimento, eles possam começar a dar mais valor ao seu território e, assim, garantir o conhecimento sobre a posse e o uso de seu território, ajudar a fortalecer a indígena do seu povo e, acima de tudo, pensar coletivo sobre a gestão do seu território”.

  Para o professor doutor Adnilson de Almeida Silva, que desenvolve trabalhos com povos originários, “a entrada de discentes indígenas engrandece o Programa de Pós-Graduação em Geografia. Esses indígenas passam a ter um papel importante dentro da academia. Com suas visões de mundo, possibilitam uma grande contribuição, visto que possuem em seus modos de vida a cultura, a espiritualidade, entre outras questões, nas quais o pesquisador não indígena não possui a devida dimensionalidade e a correta compreensão do universo dos povos originários”.
  De acordo com o professor mestre José Joaci Barboza, chefe do Departamento de Educação Intercultural (DEINTER/UNIR), o processo de “inclusão das comunidades mais tradicionais do Estado de Rondônia, os povos indígenas, na UNIR, começou em 2008, com a criação do curso de Licenciatura em Educação Básica Intercultural, entre outras ações". Em nome do DEINTER, ele afirma que foram positivamente surpreendidos com a notícia da aprovação de dois indígenas no Mestrado em Geografia e que isso “significa um avanço na construção e consolidação das políticas afirmativas na Universidade Federal de Rondônia. Significa também novos desafios nas relações entre os diversos tipos de conhecimentos”.
 Barboza parabeniza o PPGG pela “iniciativa corajosa, pelo pioneirismo em pensar espaços para os povos indígenas; espaço que extrapolam a dimensão formativa inerente à pós-graduação, pois significa a possibilidade de fortalecimento de elementos da cultura capazes de fortalecer sua identidade, possibilidade de mudanças com a introdução de novos conhecimentos e tecnologias, de empoderamento, de instrumentalização de luta contra seus inimigos históricos”, finalizou.
Sobre a Pós-Graduação em Geografia da UNIR
 O Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Geografia (PPGG) da UNIR iniciou suas atividades em 2006 com a primeira turma de Mestrado, cujo programa formou mais de cem mestres.

  Em 2015, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) aprovou o projeto de Doutorado em Geografia/UNIR, o primeiro da região Norte. A modalidade Doutorado no PPGG está com o processo seletivo em andamento e oferecerá doze vagas para ingressantes.

  As duas modalidades, Mestrado e Doutorado, são recomendados pela CAPES e possuem Nota 4. Atualmente, o PPGG está sob coordenação e vice-coordenação, respectivamente, da professora doutora Maria Madalena de Aguiar Cavalcante e do professor doutor Adnilson de Almeida Silva, ambos egressos da primeira turma de Mestrado em Geografia/UNIR.

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: