Nova Mamoré

[Nova Mamoré][list]

Geral

[Geral][bsummary]

Últimas Notícias

[recentposts]

Outras Notícias

[randomposts]

Publicações Legais

[AP][twocolumns]
Navegação
Publicado em 14 de junho de 2016

Professores protestam contra corte de gratificações em Guajará-Mirim

Servidores deram prazo de 72h para que reivindicações sejam cumpridas. Corte foi por conta de salários atrasados, diz secretária.
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Os servidores municipais da educação se reuniram na manhã desta terça-feira (14), para protestar contra o corte de gratificações nos pagamentos, em Guajará-Mirim (RO), cidade distante a 330 quilômetros de Porto Velho. Após realizarem uma assembleia no Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Rondônia (Sintero), cerca de 50 professores caminharam até a Câmara Municipal de Vereadores e depois seguiram até a prefeitura com faixas de protesto.
Os manifestantes alegam que não foram comunicados sobre os cortes. As três gratificações que foram cortadas dos professores são a de formação continuada, incentivo ao magistério e de docência. Com o corte, os salários serão reduzidos em aproximadamente R$ 500.  A suspensão das gratificações ocorreu para contensão de gastos na folha salarial.
Segundo a Secretaria Municipal de Educação (Semed), o município atende mais de três mil alunos na rede municipal, nas zonas urbana e rural. A protestante Tereza Crespo, que é professora na Escola Municipal Maria Liberty de Freitas, contou que na manhã de segunda-feira (13) os pais dos alunos foram comunicados sobre o protesto.
"Os pais já estão cientes, pois já foram comunicados no início da semana. Fomos surpreendidos por um memorando da secretária sobre a suspensão temporária de três gratificações. Ela suspendeu já do pagamento de maio, alguns professores que já receberam tiveram esse desconto no salário. Estamos protestando e não podemos aceitar essa decisão. Se não for resolvido em 72h, entraremos em greve", declarou a professora.
Procurada pelo G1, a Secretária Municipal de Educação, Rosely Furtado Roca, disse que houve o corte porque alguns pagamentos estão atrasados e a prefeitura não está conseguindo colocar a folha salarial em dia.
"Foi uma das medidas utilizadas para que a gente diminuísse a folha e fazer os pagamentos mais próximos do mês. Estive com eles na segunda-feira (14) e entramos em um acordo, mas o protesto já estava agendado", explicou Rosely.
Por volta das 10h30, representantes da classe tiveram uma reunião com a secretária para dialogar sobre as reivindicações, mas não houve acordo. A manifestação ocorreu de forma pacífica sem a presença da Polícia Militar (PM).
O Sintero anunciou um prazo de 72h para que os cortes sejam suspensos, os professores irão trabalhar normalmente, mas se os pedidos não forem atendidos, haverá uma paralisação das atividades a partir de quinta-feira (16).

Fonte: G1.

Enviar

O Mamoré

Themelet provides the best in market today. We work hard to make the clean, modern and SEO friendly blogger templates.

Comentários: